Palavras de Alento

29 de set de 2011

Desafios para a Escola

Circula na internet um e-mail que traz a notícia de que o Ministério da Educação pretende ampliar o número de dias letivos, de 200 para 220. A medida visaria, segundo o ministro Fernando Haddad, aumentar o tempo de permanência dos alunos em sala de aula, pois segundo pesquisas realizadas pelo MEC, isso melhoraria os indicadores de qualidade da educação brasileira.
Professores de todo o país passaram então a manifestar-se contrariamente à essa medida (que ainda não é projeto de lei) por meio de redes sociais. Eu, enquanto professora da educação básica, atuando na rede pública há 7 anos, não acredito que vinte dias a mais em sala de aula resolverá o problema da educação no Brasil. Até porque, o que chamamos de "problema" é um conjunto de coisas, uma bola de neve que se arrasta há anos, de governo em governo. É preciso melhorar a infra estrutura das escolas, provê-las com equipamentos, recursos e bibliotecas, investir na merenda escolar, na segurança e manter os professores sempre atualizados, motivados e bem remunerados.
O Sr. Ministro e seus assessores estão minimizando o problema achando que vinte dias de aulas a mais vai dar pra modificar índices e conseguir milagres como melhorar o IDEB e os resultados do ENEM. Outra meta do MEC para 2020 é implantar a educação em turno integral em metade das escolas públicas brasileiras. Mais uma tentativa no sentido de equiparar a educação pública com a oferecida pela rede privada, haja vista que os índices dessa última são sempre melhores.
Acredito na educação em tempo integral, pois um dos grandes problemas dos alunos da rede pública hoje é a falta de compromisso com sua formação. Os próprios alunos não têm a mínima noção da importância do estudo na vida deles. E os pais, idem. A impressão que eu tenho é que todos estão imersos num universo onde a diversão e o esforço mínimo são os únicos objetivos.
Há quem consiga a proeza de se sair bem na escola, mas o nível de aprendizagem diminui à medida em que os anos escolares avançam. Novos interesses vão surgindo, e a escola, quase sempre desprovida de recursos e atrativos, vai se tornando cada vez mais chata, o último local onde eles gostariam de estar. E nós, as terríveis professoras, que vivemos para persegui-los com cobranças de atividades, submetendo-os a avaliações e ameaçando-os com notas vermelhas, nos tornamos os seres mais desprezíveis sobre a face da terra.
Ser professor é difícil. Mas eu gosto de coisas difíceis! Não vou desistir de fazer meus alunos compreenderem que só pela educação eles poderão mudar a realidade em que vivem. Bom, primeiro eu preciso fazê-los enxergar que a vida deles não é a ideal... (ô tarefa árdua!) Enquanto isso espero pelas medidas governamentais que vão mudar a vida deles e a minha também: Menos férias, mais trabalho, mesmo salário... dá pra ser feliz assim?
Charge disponível em: 

7 Recadinhos

Luiz

comentou...

Vinte dias de reflexão evitariam propostas desarrazoadas como esta. Vergonhoso!

29 de setembro de 2011 12:02
Responder
Cecilia Ferreira

comentou...

Paty, sou a favor do aumento de dias na escola, se nenhum benefício disso adviesse dentro da própria escola, qq tempo a mais ali dentro é tempo fora das ruas. Mas antes disso é preciso que a vocação do bom professor seja bem remunerada. Façam os senhores políticos projetos para diminuir seus próprios ganhos, absurdos perto do serviço que prestam e aumentem salários de quem realmente poderia levar este país adiante. Gosto muito qdo vc diz: "... é que todos estão imersos num universo em que a diversão e o esforço mínimo são os únicos objetivos". Parabéns, siga lutando por aquilo em que acredita!

29 de setembro de 2011 15:13
Responder
A viajante

comentou...

Ai, Patiiinha...como faço pra isso aqui não virar um post dentro de outro? Vou tentar...se ficar muito grande, não posta...
Penso que a educação pública brasileira, por ser cercada de legislações que respaldam e validam o neoliberalismo, padece de fundamentação dos que elaboram e executam as políticas públicas e, muito mais grave, dos que monitoram como elas estão sendo implementadas. Nunca foi tratada como prioridade. Sempre vista como 'a' assistência mais importante aos miseráveis! E, mantê-los na escola mais tempo, é uma tentativa exitosa de manter as desigualdades sociais. 20 dias a mais ou a menos, educação integral...nada disso vai funcionar, pq o sistema é imundo, burocrático e o PIB não dá conta de ampliação de escolas, melhoria na infraestrutura e muito menos melhores salários, mais concursos...hoje temos mais monitores, tutores e estagiários do que efetivos... é eficiente e mais lucrativo,e pior, manterá os piores índices...

29 de setembro de 2011 17:46
Responder
Paty Michele

no comando :)

Cecília, de que adianta passar um turno na escola e no outro ficar na rua, sendo "criado" pela violência urbana? Não acredito nesses 20 dias. Acredito na educação em tempo integral.
;)

29 de setembro de 2011 19:20
Responder
Paty Michele

no comando :)

Ju, amiga, vc já viu que o sistema público só nos desencanta, né? Mas precisamos fazer a nossa parte. E isso inclui acreditar!
bj

29 de setembro de 2011 20:25
Responder
Turma da pró Paty

comentou...

nós queremos mais férias isso sim.

29 de setembro de 2011 21:02
Responder
Vera Lúcia

comentou...

Olá Paty,
Acredito que a qualidade no ensino dispensaria
este acréscimo, que me parece inócuo à primeira vista. Se não vai haver a contraprestação, ou seja, melhores salários, melhores recursos ou outras opções motivadoras para professores e alunos, a medida tende a não alcançar os objetivos buscados.
Beijokas, querida.

1 de outubro de 2011 13:22
Responder

Postar um comentário

Se impressionou? Então me conte!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...