Palavras de Alento

24 de jul de 2010

A história secreta da Mulher Só e do Homem Sem Tempo

Capítulo XI

O relógio marcava exatamente onze horas. Ela não precisaria de mais do que vinte minutos para chegar ao restaurante onde havia marcado o almoço com o Homem Sem Tempo. Contudo, não encontrava coragem para sair de casa. Aceitara o convite num ímpeto, num momento onde não tivera tempo para pensar, mas no fundo sabia que não deveria sair para encontrar-se com um homem casado.

Por outro lado, precisava certificar-se de que ele havia realmente se casado, queria ouvir dele, ter a certeza, embora seu destino estivesse selado, e agora nada a faria desistir da ideia de viajar e concluir seus estudos fora do país.

Pegou o telefone e ligou para ele.

- Desculpe, mas não poderei almoçar contigo, surgiram alguns imprevistos e achei melhor deixar nosso encontro pra outra ocasião – falou, com um aperto no peito, torcendo pra que ele não insistisse, pois seria perfeitamente capaz de voltar atrás.

- É uma pena, – havia um desapontamento evidente no seu tom de voz – gostaria muito de dar-lhe um abraço antes que findasse esse ano.

- Quem sabe esse abraço não sela o início do novo ano...? – ela bem que gostaria de acreditar naquelas palavras, mas estava decidida a não vê-lo nunca mais.

- Ligo pra você em janeiro, então.

-Ok.- Foi o que conseguiu dizer, antes de desligar o telefone e sentir ódio de si mesma.


To be continued

4 Recadinhos

Carol Fonseca

comentou...

aff,por que que a gente tem tanto medo??

25 de julho de 2010 00:15
Responder
Luiz

comentou...

A Mulher Só foi muito fria desta vez. Beijos

25 de julho de 2010 11:00
Responder
Uma Delas

comentou...

Burra! Burra! Burra!

26 de julho de 2010 15:31
Responder
Antonio de Aruanda

comentou...

Jeguíssima! A Mulher Só é muito ética! Saco!

5 de agosto de 2010 01:44
Responder

Postar um comentário

Se impressionou? Então me conte!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...